1. Realizei Fantasia Com Amiga Grávida (REEDITADO)


    Encontro: 31/05/2021, Categorias: Grávida, Fetiches Heterossexual Autor: HDRE, Fonte: CasadosContos

    Aquela sexta-feira era um dia de folga, um feriado municipal. Aproveitei e fui logo cedo bater uma bolinha na quadra de uma praça, perto de casa. Perto do meio dia, com o sol muito forte, o jogo acabou. Me despedi dos amigos e já estava imaginando o que iria preparar para o almoço. Ao passar em frente ao ponto de ônibus, encontrei alguém que não via há tempos: Sheyla, uma amiga do ensino médio, uma morena de tirar o fôlego. Ela estava ainda mais bonita do que quando estudávamos juntos. Cabelos negros, cacheados, soltos. Boca carnuda, enfeitando um rosto bem jovem. Seios firmes, imponentes, de mamilos pontudos. Coxas torneadas, de uma verdadeira felina. Mas o detalhe que mais chamou minha atenção era sua barriga. descobri que estava grávida de seis meses!
    
    Enquanto conversávamos, fui descobrindo muito mais sobre ela, após tanto tempo sem contato. Soube que estava enfrentando alguns problemas, entre eles, saudades do marido, caminhoneiro, que estava trabalhando dobrado para juntar dinheiro para as futuras despesas. Confesso que, sem querer, já estava pensando maldade. Por mais que tentasse evitar, imaginava situações entre nós, o que me deixou muito excitado.Eu não queria constrangê-la, ficando de pau duro na sua frente, em um local público. Ao longe, avistei o ônibus que iria pegar se aproximando. Pedi o número de seu celular e lhe prometi que ligaria mais tarde, para conversarmos mais à vontade. Ela me falou o número e procurei gravar de memória. Por sorte era uma combinação fácil de lembrar. Mesmo me vendo todo suado, Sheyla me abraçou carinhosamente e me deu um beijo no rosto. Retribuí sua gentileza. Ajudei-a a subir no ônibus, admirando-a. Antes do motorista fechar a porta, ela olhou para trás e, sorrindo, disse:
    
    - É para me ligar mesmo, viu? Vou ficar esperando...
    
    - Pode deixar... - respondi.
    
    Pessoal, assim que cheguei em casa, anotei o número para não correr risco de esquecer e obedeci à natureza. me acabei na punheta, lembrando de cada instante de contato que tivemos. Foi a punheta mais gostosa da minha vida. Quando era por volta de 15:00 hrs, liguei pra ela. Na primeira tentativa, nada. Na segunda, nada. Ao primeiro toque da terceira tentativa, Sheyla atendeu, com a simpatia que lhe é característica:
    
    - Oi, que bom que você ligou...
    
    - Pensei que você não queria falar comigo... - brinquei com ela.
    
    - Imagina... eu demorei para atender porque estava no banho.
    
    - Desculpa, Sheyla. Acho melhor ligar mais tarde. Não quero te incomodar...
    
    - Não é incômodo algum, seu bobo. Mas, se você preferir, podemos fazer o seguinte. Enquanto me troco, você poderia vir aqui em casa. Assim você me faz companhia, enquanto lanchamos e colocamos o papo em dia. O que acha?
    
    - Por mim, tudo bem. Mas e seu marido? - perguntei.
    
    - Ele só volta domingo, foi para Minas Gerais. Mas não esquenta a cabeça. Afinal, o que tem de mais receber um amigo em casa?
    
    - Se é assim, eu topo. Me passa o endereço, por favor.
    
    Com o endereço em mãos, me ...
«123»