1. Com a mulher do meu cunhado de novo, finalmente.


    Encontro: 10/06/2021, Categorias: Heterossexual Autor: rodf, Fonte: ContoErotico

    ... Caminhei na direção dela tirando a minha roupa e iniciei vagarosamente a deliciosa tarefa de chupar Ludmila, a cada movimento da minha língua sentia sua bucetinha escorrendo mais e mais. Ela começou a gemer muito alto e gozou deliciosamente, como em Brasília, esguichando seu gozo em mim e gritando muito. Fui sentando-me, ela ajoelhou-se no chão, na minha frente e me chupou até meu pau estar quase estourando de vontade de meter nela, que percebeu minha vontade, subiu em mim ali e agasalhou meu pau numa sentada só. Abraçados, nos beijando e com meu pau todo dentro dela, metemos muito até que gozamos juntos enquanto nossas bocas não se desgrudavam.
    
    Ficamos deitados nus no sofá, abraçados, pernas entrelaçadas. Depois de um tempo resolvemos tomar uma ducha e irmos até o apartamento deles para pegarmos algumas coisas que justificariam ela ter ido comigo.
    
    Ao chegarmos no apartamento deles, que fica a 1,5 km mais ou menos do meu, estava com as pernas ainda meio bambas, e resolvi me sentar no sofá deles para descansar enquanto Ludmila foi procurar o que levar.
    
    Depois de uns minutos surge ela nua, com uma toalha na mão e na outra um lubrificante e disse: Rô, como eu ainda estou com tesão e você foi muito bom comigo, me fez gozar duas vezes, eu vou te dar meu cuzinho hoje. Atônito, apenas falei ok e comecei a tirar a minha roupa enquanto ela colocava a toalha no sofá.
    
    Ela sentou-se sobre a toalha, colocou os dois pés em cima do sofá, abriu as pernas e disse: “vem me chupar mais um pouquinho para me deixar no ponto, vem?” Obediente, me abaixei ali no chão, na frente dela, e chupei bem gostoso até perceber que ela estava ficando de novo encharcada, ajoelhado, fui puxando o quadril dela para frente e meu pau estava naturalmente na altura do seu cuzinho, lambuzei a cabeça do pau no lubrificante e dei uma pincelada nela, ao sentir o contato, ela falou para eu colocar aos poucos que ela ia acostumando...fiz um pouco de pressão e senti seu esfíncter relaxando e quando a cabeça passou ela deu uma contraída, aproveitei a parada para colocar um pouco mais de lubrificante no corpo do pau que estava de fora e fui iniciando o vai-e-vem, fui empurrando até ver que já estava todo dentro. Ludmila começou a gemer alto e pedia para não parar de meter no cu dela, fomos aumentando aos poucos o ritmo e depois de alguns minutos gozei...gozei muito dentro do seu cu...nos abraçamos, ainda com o pau amolecendo dentro, Ludmila então falou: “Pronto, Rô. Agora todos os meus buraquinhos são teus também”.
    
    Enquanto tomávamos outro banho, combinamos como faremos a partir de agora. Ainda não rolou de novo, quando rolar, conto aqui para vocês. 
«123»