1. AMOR DE FAVELADO 7


    Encontro: 10/06/2021, Categorias: , violência, Amor favela, Sexo, Gay / Homossexual Autor: Kaio, Fonte: CasadosContos

    ... estava Tk chorando na sala a porta do quarto trancada minha irmã gritava lá dentro, fiquei desesperado pensei que o mostro tivesse batendo nela, mais era muito pior ele está estuprando minha ir, já que minha mãe e eu tínhamos saído.
    
    Corri até a cozinha peguei uma faca, voltei a porta do quarto e bati na porta, foi em vão, estava muito silêncio lá dentro, nem um bagulho era ouvido de lá, tentei abrir a porta com a faca atéque consigui, vi minha irmã na cama nua com marcas pelo corpo chorando encolhida desesperadamente em um canto do colchão o miserável tinha fugido pela janela, minha não retornou mais para casa aquele dia, acho até que foi morar com aquele desgraçado, a partir daquele dia entrei no mundo do crime para sustentar meus irmão que não tinha ninguém por nos, minha irmã entrou em depressão desde aquele dia se trocou em um quarto e não falava mais com ninguém! Até que... que... se matou, sofremos muito na época então ficou somente eu e tk era um pelo outro sempre, com o tempo fui subindo de cargo rapidamente, tive que matar muitas pessoas, principalmente as vagabundas que abandonava seus filhos essas eu matava com muito prazer, mais o que mais me traz felicidade é ESTOURAR os miolos dos estupradores, ah esses sim me satisfazem! Voltando aos 22 anos me tornei chefe do tráfico aqui no morro, sou que mando e desmando, tenho todo que quero, mais não sou feliz, não por completo tá ligado? Nada vai ocupar o lugar que minha irmã deixou e eu não vou sossegar enquanto não encontrar aqueles 2, já procurei muito e nada desde a morte da minha irmã, mais eu sei que vou encontrar eles e fazer eles sentirem cada dor que causaram a mim e ao meu irmão esse é meu maior desejo. - parou de falar ainda olhado pra baixo, estava ofegante e pela voz trêmula estava chorando.
    
    Eu não consigui conter as lágrimas também com o relato, sei que anti profissional demonstrar sentimento durante uma seção, porém senti a dor dele naquele momento.
    
    Não consegui dizer nada no primeiro momento só o observava e segurei sua mão que estava sobre o colchão ele começou a apertar minha mão, estava doendo um pouco, sei que era uma forma de aliviar a dor dele.
    
    Eu : cara eu sinto muito por tudo! - puxei ele pra um abraço, com medo da reação dele, na situação eu estava me colocando além de profissional, estava sendo apenas um humano que se sensibiliza com a dor do outro.
    
    Por incrível que pareça elenão demonstrou resistência, mais também não se moveu do lugar, então fastei pra mais próximo dele e o abracei, ele era enorme quase que não consigo segura-lo ele então me abraçou de volta um pouco a apertado com aqueles braçoes musculosos.
    
    Eu : eu fico admirado com a sua força, com sua força de vontade... eu não teria conseguido se estivesse no seu lugar- comecei a chorar lembrando de uma situação do passado.
    
    Eu : Eu não devia e você nem prescisa escutar se não quiser, mais depois que você contou o que aconteceu com sua irmã eu.... - chorava intensamente chegando a ...