1. Casamento arranjado: transformada em uma puta


    Encontro: 14/06/2021, Categorias: BDSM Primeira Vez / Adolescentes Virgem Autor: bruxinha safada, Fonte: ContosEroticosCnn

    Eu havia acabado de me mudar de cidade. Meu pai estava crescendo cada vez mais nos negócios, principalmente com a ajuda do pai de meu amigo Rafael. Vivíamos em uma fazenda, Rafa vivia na fazenda ao lado. O que eu nunca havia imaginado é que as tradições da família de meu amigo fossem tão… Estranhas. Em um jantar, o pai dele começou a falar sobre as delícias de um casamento. E não tardou a dizer o que me marcaria para sempre: – Eu e seu pai decidimos que, para a união das terras, você e Rafael, meu filho, irão casar. Eu sempre quis ser mais que a amiga dele, mas nunca imaginei que o ganharia assim. Eu esperava seduzir ele, afinal, sempre fui linda. Eu tinha 13 anos, 1,75, cabelos encaracolados pouco acima dos ombros, e bem branquinha. Eu era a Branca de Neve da vida real. Já ele, era o meu perfeito príncipe sexy. Malhado, alto, de olhos azuis, 17 anos, ruivo de cabelos encaracolados. Sua coroa ficava debaixo de suas calças.
    
    A tradição do casamento arranjado sempre foi comum em minha cidade, mas os costumes da família de Rafael sempre foram estranhos.
    
    A primeira etapa para o casamento era verificar se eu era virgem.
    
    Sete dias depois de me contatem que eu ia casar, foi feito esse ritual. Eu vestia branco, e as mulheres que me acompanhavam vestiam vermelho. Elas me levaram para um quarto que possuia todos os móveis na cor branca, a cama era enorme, com lençóis de mesma cor. A mais alta delas, uma morena de peitos enormes, me despiu. Viu que eu não estava depilada, então disse: – Putinhas devem estar lisas – a outra mulher de vermelho, loira, pegou uma lâmina e raspou todos os pelos. Suas mãos passavam por minha pele e me deixavam excitada.
    
    – Agora, vamos verificar. A morena levou dois dedos a minha xota, e os abriu em 2. – Virgem. Ela começou a me chupar, sugava meu clitóris. A loira retirou as roupas, ficou completamente nua e sentou-se em minha boca. Chupei vagarosamente, minha língua dançava sobre sua vulva. Sugava seu clitóris como a morena sugava o meu. A morena enfiou dois dedos em mim, eu rebolei. A loira gozou e saiu de cima de mim, vestiu-se e foi para outro cômodo. A morena abriu as pernas, e me perguntou: – Sabe fazer tesourinha? Era uma posição lésbica, na qual as mulheres escostavam suas bucetas e as esfregavam. – Nunca tentei. Nos encaixamos e nos esfregavamos. Seu clitóris roçava no meu, seu licor de misturava ao meu Não demorei para gozar. Ela gozou pouco tempo depois de mim. Se vestiu e me entregou um outro conjunto de roupas, também brancas. – Você passou no teste.
    
    Esse foi o primeiro dos testes para o casamento, e talvez o segundo mais prazeroso. Bom, só perdeu para um, o segundo teste: como chupar. Não era bem um teste, na verdade, era mais uma aula. Eu e Rafael fomos colocados em uma sala. Ambos despidos. E seu pau magnífico ficou totalmente ereto ao me ver. Satisfação, foi isso que eu senti naquele momento, até porque eram 22 cm de rola que ele não poderia meter em mim até a lua de mel. Uma mulher entrou na sala. ...
«123»