1. Noite de fantasia e fetiche fora de casa


    Encontro: 14/09/2021, Categorias: Exibicionismo Autor: jpietro, Fonte: ContoErotico

    Era noite de quinta-feira. Eu e minha mulher Marina, haviamos combinado de sair naquela noite.
    
    Marina vestiu um tubinho preto que lhe contornava o corpo, deixando à mostra suas belas formas(seios pequenos para médios, belas pernas extremamente bem torneadas e suas coxas firmes e bem desenhadas) Antes mesmo de saírmos, eu já estava um pouco excitado só de vê-la vestida daquela forma.
    
    Escolhemos um restaurante longe de casa., extremamente bem localizado. Uma casa no estilo vitoriano, com um belo jardim e vários ambientes. Preferimos ficar na varanda lateral do restaurante, com uma bela vista para os jardins da casa.
    
    A princípio, estávamos a sós na extremidade da varanda, bem perto do jardim. Escolhi um belo tinto e para acompanhar, uma burrata. Logo após o primeiro brinde e alguns beijos apaixonados, Marina colocou a mão esquerda sobre um dos seus seios e apertou algumas vezes, produzindo um barulhinho como se algum plástico estivesse sendo amassado. Após alguns segundos olhando seu rosto já com uma expressão meio sacana e um sorriso malicioso, eu me dei conta do que era.
    
    Tinhámos fantasiado sobre fazer amor dentro do carro em alguma rua ou lugar escuro e conveniente e para minha total surpresa e excitação, Marina tinha escolhido exatamente aquela noite.
    
    Após algumas taças, mais três mesas haviam sido ocupadas na varanda. Duas à esquerda cada uma com um casal e uma à nossa frente com dois casais que mais me pareciam apenas amigos. O clima de excitação entre nós foi esquentando e eu lancei um desafio:
    
    - Será que você teria coragem de tirar a calcinha sem que ninguém perceba? Como fez a Sharon Stone no filme Sliver?
    
    Marina não hesitou nem um segundo. Vi que suas mãos saíram de cima da mesa e comecei a perceber alguns movimentos do seu quadril. Meu pau começou a pulsar debaixo de minha calça e parecia querer furar a cueca de tanto tesão. Após mais alguns movimentos, Marina trouxe as duas mãos em concha para cima da mesa e eu juntei minhas mãos sobre as dela. Recebi o prêmio. Sua calcinha preta e rendada me foi passada.Eu levei as duas mão ao meu nariz e aspirei aquele cheiro delicioso de sua bocetinha. Ela tinha conseguido e aparentemente com muita descrição.
    
    Eu guardei a calcinha no meu bolso e coloquei minha mão direita sobre sua coxa e fui deslizando até tocar naquela linda bocetinha que já se encontrava bem molhada. Nâo resisti e fui enfiando lentamente um dedo enquanto Marina se ajeitava e cruzava as mãos na frente da sua boceta para ocultar a minha. Devido à posição sentada, eu sentia os anéis de sua boceta apertarem com força meu dedo. Ela comentou:
    
    - Amor olha para as ourtas mesas. Não acha excitante estarmos aqui, você com o dedo enfiado em mim, enquanto os outros nada percebem?
    
    Eu retruquei:
    
    - Será que não perceberam, ou fingem que não viram?
    
    Havia apenas as duas meninas da mesa à nossa frente que poderiam ter visto. Mas isso era o que nos excitava ainda mais. Estavam sabendo o que se passava ou não?
    
    Eu ...
«123»