1. CASSIO O ESCRAVO ROMANO | PARTE 07 – DIAS DOCES E DIAS AMARGOS.


    Encontro: 14/09/2021, Categorias: Sexo, escravo, Romano, Gay / Homossexual , Autor: Histórias do Lu, Fonte: CasadosContos

    O som dos gemidos denunciava um prazer nunca sentido. A língua de Commodus explorava com satisfação toda a bunda de Cassius. O objetivo dele era levar aquele rapaz a ter uma experiência ímpar na sua primeira vez. A ideia de tirar a virgindade dele o deixava nervoso. Cassius gemia de uma forma gostosa. O prazer que estava sentindo era algo que jamais imaginou poder sentir. As mãos firmes de Commodus seguravam suas pernas que naquela posição de frango assado o permitia ter uma abertura adequada para de vez enquanto olhar a cara de satisfação do rapaz. Sentia que estava retribuindo à altura a mamada que o jovem escravo lhe deu quando chegou ao quarto. Cassius era lindo e Commodus estava nutrindo algo por ele. Como pode em tão pouco tempo sentir algo tão intenso? A história de Cassius ter sido trocado para pagar as dívidas do pai com o Pretor mexia com o gladiador. Ele se compadecia do jovem que foi arrancado do seio de sua família por irresponsabilidades de um pai escroto e irresponsável. Com calma o gladiador arruma o rapaz na cama e se deita por traz beijando sua nuca, mordiscando sua orelha, vendo a pele de Cassius se arrepiar junto com a respiração descompassada dele. Posiciona o pau na entrada do cuzinho virgem.
    
    - Relaxa! Vai doer, mas não se desespere. Estou aqui contigo. – sussurra para o jovem.
    
    Com jeito ele consegue que a cabeça transpasse o anel. O jovem dá um grito e trinca os dentes. A dor era insuportável e ele apertou os olhos. O gladiador com toda calma foi enterrando devagar e parava um pouco pra ele se acostumar. Apesar da dor Cassius estava disposto a ir até o fim. Era algo diferente que ele estava sentindo e estava gostando. Lentamente Commodus iniciou um vai e vem arrancando gemidos do amante. Começou a bombar de leve, mas estava com tanto tesão que logo gozou inundando a bunda do outro de porra. Nesse momento abraçou o escravo e urrou de prazer. Cassius suava assim como o gladiador e ao sair de cima percebeu um pouco de sangue. Estava doendo, mas nem a dor conseguia transpor o que estava sentindo naquele momento.
    
    - Não sei o que tem Cassius, mas me sinto amarrado a você.
    
    - Sinto a mesma coisa. Você é incrível.
    
    - Sou é? – perguntou rindo. Vem cá vem. – e beijou o rapaz com paixão.
    
    UMA SEMANA DEPOIS...
    
    - Parece estar longe. –disse Tácito para Salústio.
    
    - Estou pensativo.
    
    - Deveria estar feliz, afinal hoje é seu casamento.
    
    - Esse casamento não me deixa feliz. Você mesmo presenciou na festa o quanto Aélia é uma vadia. Mas ela terá o que merece.
    
    - As vitórias na arena semana passada ainda são comentadas pelas ruas.
    
    - Commodus e Hermes foram esplêndidos. Cuide para que sejam bem recompensados.
    
    - Pode deixar.
    
    - Agora vem cá. – disse o Pretor enquanto puxava tácito para si.
    
    - Salústio! Hoje é seu casamento.
    
    - E daí? Nada mudará entre nós Tácito. E você sabe melhor que ninguém que não consigo ficar longe desse rabo.
    
    - Salústio, você sabe que não resisto quando me toca assim.
    
    - Então ...
«123»