1. Uma putinha assumida


    Encontro: 25/09/2021, Categorias: Heterossexual Autor: yaraa, Fonte: ContoErotico

    Faz uns 3 anos já do ocorrido e ainda me lembro cada detalhe daquela noite…
    
    Eu fazia faculdade e pegava ônibus pra ir e voltar, sempre no mesmo horário, de segunda a sexta, o que mudava eram as pessoas. Algumas, não o Jorge, que trabalhava perto da faculdade e voltava sempre no mesmo ônibus que eu.
    
    Já fazia um tempinho que trocávamos olhares, ele era mais velho que eu, aparentava uns 30 anos, cabeça raspada, alto, forte, muito forte.
    
    Jorge era casado, mas algo naquele homem me deixava com muito tesão, aquele jeito sério, cara de bravo que me deixava louca. Nunca demonstrava isso a ele, nem sentava ao lado dele no banco do ônibus.
    
    Isso mudou em uma segunda-feira, era noite e sai da faculdade com o tesão a mil. Eu estava usando uma calça branca bem coladinha sem calcinha, pra não marcar, e uma blusinha sem sutiã.
    
    Subi no ônibus e lá estava ele sentado no mesmo lugar, de uniforme, pernas abertas e a cara de cansado. Sentei ao lado dele e trocamos algumas palavras pela primeira vez.
    
    Minha bolsa estava em meu colo e Jorge não parava de olhar para meu corpo, isso me deixava cada vez mais excitada.
    
    Chegamos à rodoviária, sai do ônibus e ainda tinha um pedaço a pé até minha casa. Jorge resolveu me acompanhar, fomos conversando e logo percebi a intenção dele. Ele deve ter percebido a minha.
    
    Nossa conversa começou a apimentar no caminho, de repente Jorge parou e me pegou pelo cabelo. Me deu um beijo, um beijo que deixou minha buceta toda molhadinha.
    
    Continuamos a andar e procurar um lugar seguro para transar, ele sabia que próximo dali tinha uma casa abandonada e fomos para lá. Chegando, Jorge mostrou que não estava pra brincadeira, aquele homem bruto, sujo do trabalho me deixava louca.
    
    Ele me beijava com força, puxando meu cabelo, me devorando por inteira. Estava bem escuro naquela casa e ficamos no lado de fora que pegava uns reflexos da luz do poste.
    
    Jorge me encostou na parede e levantou meus braços. Uma mão segurava meus braços, a outra ele colocava dentro da minha calça, colocando aquele dedo grosso na minha buceta toda molhada.
    
    Me beijava, chupava meu pescoço, e eu ali sem poder fazer nada, sentindo apenas aquele negão me devorar loucamente.
    
    Lambi aqueles dedos melados, sentindo todo o meu melzinho. Ele tirou o dedo da minha boca, me pressionou contra a parede esfregando aquele corpo em mim e roçando aquele caralho na minha buceta.
    
    Jorge me abaixa segurando com as duas mãos minha cabeça, colocou o pau dele pra fora da calça e mandou eu chupar ele todinho. Ele colocava com força sem ficar nada pra fora, fazendo deixar ele todo babado até eu engasgar no pau dele.
    
    Quanto mais ele judiava da minha boca, mais tesão eu ficava. Ele me levantou, arrancou minha roupa e me vira de costas pra ele. Toda pelada e ficando bem arrebitada.
    
    Ele colocou aquele pau enorme no meu cuzinho sem dó, puxando meu cabelo e metendo forte. Eu gritei na primeira metida, ele tampou a minha boca. Meu cuzinho apertado sendo arrombado ...
«12»