1. Minha Mãe – A viúva tesuda – Parte 5


    Encontro: 12/10/2021, Categorias: Incesto Autor: clauskruger, Fonte: ContoErotico

    Antes de começar essa parte, preciso explicar algo:
    
    O que vou narrar abaixo é um relacionamento entre duas pessoas adultas, mentalmente e psicologicamente capazes de decidir o que é melhor para elas.
    
    NADA é feito SEM O CONSENTIMENTO de todos os envolvidos.
    
    Eu acredito que muitos leitores vão adorar essa parte do meu conto, bem como as próximas que virão. Porém, tenho certeza que outras pessoas não vão gostar.
    
    E é justamente por isso que eu quero destacar o seguinte: cada pessoa sente prazer de formas diferentes.
    
    O divertido nessa vida é encontrar alguém que aceite você com suas qualidades, defeitos...e fantasias.
    
    Porém, sempre respeite os seus limites e os limites de seus parceiros.
    
    Nunca faça algo que você não queira fazer, mas também nunca exija que seu parceiro faça algo que ele ou ela não quer.
    
    A vida é muito mais complicada que um filme ou um conto erótico.
    
    Todos os nossos atos refletem em alguém.
    
    Seja reponsável, especialmente em relação às pessoas que você ama.
    
    Eu acordei cedo no dia seguinte, mas minha mãe ainda dormia.
    
    Lembrei do que ela tinha me dito na noite anterior: ser mais dominante e tratá-la como uma vadia e não como minha mãe.
    
    Então resolvi pular o café e ir direto para o seu quarto.
    
    Minha mãe estava pelada, deitada de bruços no colchão, com as pernas levemente abertas.
    
    Era a minha chance: me posicionei atrás dela e me preparei para penetrá-la.
    
    Eu não estava lubrificado, muito menos ela, mas isso não importava mais.
    
    Em um golpe só enfiei meu pau na buceta da minha mãe.
    
    Ela acordou e deu um salto, como se fosse um touro tentando derrubar o peão de suas costas.
    
    Mas eu sou bem mais forte e a segurei.
    
    Acho que ela demorou alguns segundos para entender o que estava acontecendo, mas eu não lhe dei a oportunidade de se manifestar.
    
    Empurrei seu rosto contra o travesseiro, quase a sufocando, e passei a bombar com força naquela coroa deliciosa.
    
    Às vezes a levantava pelos cabelos, permitindo que ela respirasse.
    
    Nestes momentos seus gemidos eram mais altos.
    
    Deitei-me sobre ela e comecei a sussurrar em seu ouvido.
    
    --- Que tipo de vagabunda trepa com o próprio filho, hein? Sangue do seu sangue?
    
    Mamãe gemia, mas nada respondia.
    
    --- Vou foder você todos os dias, sempre que eu tiver vontade! Agora você é minha escrava!
    
    Eva começou a tremer com tamanha intensidade que eu pensei que ela estivesse passando mal.
    
    Porém, resolvi correr o risco e não parei.
    
    Valeu a pena: minha mãe estava gozando.
    
    Ela se molhou inteira...os lençóis...e eu também.
    
    Eva estava tão cansada que mal conseguia falar.
    
    Aproveitei o seu silêncio e a virei de costas na cama.
    
    Elevei suas pernas em meus ombros e novamente a penetrei.
    
    Minha mãe gemia, suspirava e balbuciava palavras sem sentido.
    
    Enquanto isso eu socava na sua racha sagrada.
    
    Sagrada sim, pois era a da minha mãe. Era o lugar de onde eu saí e agora eu entrava de novo.
    
    Percebi que ela queria me falar algo, ...
«123»