1. Transando com a minha cunhadinha loira


    Encontro: 13/10/2021, Categorias: Traição / Corno amante, buceta loira, Conto erótico, gozada dentro, Sexo, romântico, Puta Amor safada, Cunhada, loirinha, Heterossexual Autor: Domadordecus, Fonte: CasadosContos

    Desde antes de começar a namorar com a Renata, eu e a irmã dela (Thayná) nos desejávamos com os olhos. Quando todo mundo saía junto, a gente se grudava bastante. As ideias batiam, o riso era fácil do lado dela. O jeito que ela era carinhosa comigo, o jeito que eu tocava e abraçava ela. O jeito que nos olhávamos. Todos sabiam que era questão de tempo até rolar algo.
    
    Mas como comecei a namorar sua irmã. Reduzi bastante o contato com a Thayná. Que passou de festas esporádicas de família, com um contato muito mais frio de ambas as partes. Podendo até sentir um certo arrependimento por parte dela. Renata era linda, um monumento dela mulher. Uma morena cavala e peituda. Adorava cavalgar no meu pau. Na verdade, o nosso sexo é bem mais prático e sujo. Já, a Thayná, era uma loirinha mignonzinha, carinha de santa, e em nossos velhos tempos de amizade, me confessava que preferia um sexo mais demorado, cheio de beijos. A verdadeira namoradinha apaixonada que todo o homem sonha em possuir.
    
    Eu sempre fui fiel a Renata, nunca pensei na Thayná, nem sequer em sonhos eróticos. Eu tinha até então um dos melhores relacionamentos que já tive, tanto emocionalmente quanto sexualmente. Até o momento que minha cunhada veio passar um feriado prolongado na minha casa.
    
    O tempo passou e ela continuava linda, aliás mais fantástica do que nunca, encorpou um pouco mais, provavelmente por conta de academia. Uma ninfa perfeita de testas empinadas e pontudas. Minha líbido não aguentava, do primeiro momento que pus meus olhos nela. A desejei ardentemente. Eu precisava trepar com ela.
    
    E eu podia sentir que ela me queria tanto quanto eu a queria. Andava pela casa com uma camisa transparente. Andava lentamente na minha frente, querendo me provocar. Empinando sua bundinha cada vez mais quando se agachava para pegar alguma coisa na cozinha. Sentava grudado comigo no sofá. Tudo era uma desculpa para tocar nos meus braços e pernas.
    
    Sábado pela manhã, eu estava na cama com a Renata, trocando carícias. Eu sarrava meu pau nela e nos beijávamos em um ritmo alucinante. Preparando para meter no cuzinho. A buceta dela já tava muito melada. E assim do nada, Renata salta da cama assustada. E diz que não lembrava que tinha que sair para trabalhar. Mal toma um banho, me beija e saí correndo em direção ao trabalho.
    
    Eu que já estava excitado, visto minha cueca e decido ir tomar café da manhã já que pela quantidade de tesão, não iria conseguir dormir. O meu sexo exalava um cheiro forte de pica. O que provavelmente fez Thayná despertar de seu sono. Pois assim que me pus de pé, ela alguns minutos depois acorda e me vem de encontro na cozinha. Com uma blusinha e um shorts minúsculo. Seus mamilos forçavam a blusinha para frente quase rasgando. Vendo aquela cena o meu membro ficou ainda mais duro, já que ainda estava meia bomba da minha brincadeira com a Renata
    
    Thayná, imediatamente, ao me dar bom dia, olha imediatamente pro meu cacete, marcando contra a boxer. Se assusta, mas tenta ...
«123»