1. Marido ativo, virou fêmea dos comedores da cidade 1


    Encontro: 13/10/2021, Categorias: Traição / Corno Autor: callebesouza, Fonte: ContoErotico

    Vou resumir o início para melhor compreensão, ok!
    
    Tudo começou a 10anos atrás
    
    Me chamo FLÁVIO, tenho hoje 46anos, sou um cara simples, me cuido, branco, pouco pelos, barba, 1.78m e peso 80k. Por ser o único gay da família, tive que ser o mais comum entre todos. Levava uma vida simples entre estudo, academia e trabalho. Ainda morava com meus pais, por comodidade mesmo.
    
    FAMÍLIA
    
    Nasci numa família conservadora, tenho 2x irmãs, casadas.
    
    - Irmã Luciana casada com RUY (pastor, sério, calado, 2º casamento dele, e tinha 2x filhos do 1º casamento, o LUCAS 20anos e MARCOS 22anos)
    
    - Irmã Ana casada com ROBERTO (policial, do tipo cafajeste) tive um breve discreto relacionamento com ele, minha família nunca soube, ao terminar com ele, o fdp para me provocar começou a namorar com minha irmã e até se casou com ela.
    
    Mantenho até hoje amigos de infância, um deles é o ANDRÉ, conselheiro e bom ouvinte, casado com mulher, tarado, rs, mas um cara bacana, amigão, sempre soube que sou gay e nunca se importou com isso.
    
    Tudo começou quando mudei de academia, uma grande e mais perto do meu trabalho. Comecei animado, fui bem recebido e convenci meu amigo ANDRÉ para malhar lá também. Lá conheci um cara bonito, corpo definido e másculo, sem pelos (depilação) de 38anos. Ele é um dos professores e personal na academia e foi ele quem mais me deu atenção, se chama CALLEBE, me fez suspirar forte, sabe aquela química e tesão que vc tem quando conhece um macho viril. Vi que em um dos seus dedos tinha uma aliança de casado.
    
    Os dias foram passando e aos poucos eu e meu amigo fomos nos entrosando, me familiarizando com os frequentadores e funcionários da academia, logo ficamos amigo de muitos.
    
    Conheci o ANTÔNIO, LUCAS e JOSUÉ também professores, cada um tinha sua beleza diferente.
    
    Certo dia quando eu malhava, do meu lado vi um cara novo na academia (um gato, do tipo playboy, com tatuagem, corpo definido e pita de conquistador) nunca o tinha visto na cidade, demostrou ter toda intimidade com os aparelhos e vi que ele tinha o CALLEBE como seu personal. De repente o vejo em altos papos com os professores e outros alunos da academia. Ouvia falar de mulher, gostosa, tesão, essas coisas de papo de macho, e também ouvi perguntar onde se divertir na cidade. Acabei minha série despedi do meu amigo ANDRÉ e fui para casa.
    
    No trabalho, meu patrão FABIO parecia estar muito aborrecido com um erro da administração onde eu fazia parte do setor, então descontou toda sua fúria em nós. Por mais que eu soubesse meu trabalho e ¨errar é humano¨ o cara sempre parecia ter necessidade de faltar com respeito com todos, em especial comigo, pois parecia ter prazer em me ensinar o que eu já sabia. Coisa de mauricinho cheio da grana, arrogante que nunca teve que ralar como. Eu tinha nessa época 36anos e estava em plena harmonia comigo mesmo. Ele é um cara másculo bonito mais novo que eu, 31anos, e tinha muita competência em que fazia, mas a arrogância nunca o deixara. O que ...
«123»