1. Rapidinha na casa da tia


    Encontro: 24/11/2021, Categorias: Gay / Homossexual Autor: anjotezudo, Fonte: ContoErotico

    Uma rapidinha na casa da tia.
    
    quatro amigos em uma tarde chuvosa, jogávamos vídeo game em um campeonato de futebol. Somente nos estávamos em casa.
    
    Quem perdia pagava uma prenda, eram coisas bobas, gritar besteiras na rua, ou beber o refrigerante proibido (pq era pra janta) etc etc.
    
    Mas as coisas foram ficando mais savanas, o que eu estava curtindo muito.
    
    Éramos eu, Rogério, Carlinhos e Phelipe.
    
    Todos explodindo de hormônios e loucamente insaciáveis.
    
    Quem perdesse tinha que ficar apenas de cueca, depois tinha que mostrar a bunda, depois tinha que abrir o cuzinho, depois tinha que bater punheta para o que ganhou.
    
    Coisas de moleques.
    
    Mas na hora da punheta, a parada ficou seria. Era visível o tesão nas bermudas de todos, mas ninguém queria pegar no pau do outro e ser taxado de bicha.
    
    Até que Carlinhos perdeu, a segunda foi a derrota do Rogério.
    
    Ambos eram branquelos pálidos enquanto eu e o Phelipe amarelos (cor de burro quando foge). Como fomos os ganhadores já estávamos respirando aliviados, só que os que perderam começaram a protelar, na tentativa de fingir não estarem excitados com o momento tanto quanto nós.
    
    Não teve jeito, já estávamos todos de cueca visivelmente excitados e eles dizendo que não iriam fazer.
    
    Claro que ficou nesse jogo de empurra até prometemos que bateria os punheta para eles depois.
    
    Então cuecas tiradas, cheiro de piroca no ar, e os caras batendo lentamente para nós.
    
    Uma mistura de suspiro e risadas faziam o ambiente ficar ainda mais tesudo.
    
    Eles falavam coisa do tipo. Eca tá quente e duro, enquanto o outro falava, o pior é este que está todo babado de porra.
    
    Essas palavras só me deixava mais tarado e ver eles fingir não saborear era ainda mais gostoso.
    
    Então Phelipe gozou, sem avisar, Melou as mãos e voou um pouco na cara do Carlinhos, o que logico xingou muito, e saiu correndo no banheiro para se limpar.
    
    Eu sempre demorei pra gozar, e o "pobre coitado" do Rogério dizendo que já estava com as mãos dormentes, e o punho dolorido.
    
    Então disse pra Ele que ele poderia chupar até a mão dele voltar, ele disse que não iria me chupar nunca, só se eu chipadse ele tbm.
    
    Então prometi que o chuparia logo em seguida.
    
    Ele foi encostando a boca na minha piroca, eu já esquecia que era brincadeira, a essa altura já estava de olhos fechados e gemendo.
    
    Quando Carlinhos voltou, estava com a sua piroca estalando também, e obrigou Phelipe a bater pra ele.
    
    Ver aqueles dois sarados se punhetando me deixava louco, então fui fodendo a boca do Rogério sem do.
    
    Ele engasgava e fazia aquele som delicioso de piroca sufocando um putinho.
    
    Eu estava com as mãos sobre a cabeça dele, empurrando ao máximo aquela boca para chegar ao talo do meu pau.
    
    Abri os olhos e vi Carlinhos sendo chupado pelo Phelipe. Que batia com sua piroca na sua própria cara, estava fazendo um trabalho de um puto excepcional.
    
    Então eu deitei o Rogério no chão, e ficamos chupando um ao outro, num 69 ...
«123»