1. Dando pro lanterneiro arrumar meu carro


    Encontro: 25/11/2021, Categorias: Gay / Homossexual Autor: marcross, Fonte: ContoErotico

    Conheci um cara em um site de relacionamentos. Marcamos um motelzinho e rolou como tinha que ser. Depois disso, perdemos o contato. Depois de mais de um ano, encontro um cara também pela internet e começamos a trocar fotos de corpo. Logo no início da conversa ele já me fala:
    
    -Eu já te comi! Não se lembra de mim?
    
    Eu me assustei. Tenho meus relacionamentos, mas não sou tão rodado assim.
    
    -Não. Quem é você. (disse eu)
    
    Ele respondeu que havia me comido, disse o nome do motel e como foi.
    
    Me lembrei na hora. Era um moço de uns 35 anos, casado, negro de um dote médio. Chegou antes no motel e eu entrei logo em seguida. O encontrei sentado, sério me esperando. Entrei vestido de homem, claro, o cumpreimentei e fui logo para o banheiro. Tomei banho, passei meu óleo corporal como sempre e me vesti com cinta liga, fio dental, espatilho e meia arrastão. Só isso. Sem maquiagem nem peruca. Tava com a bunda lisinha e bem molhadinha de óleo. Ele ficou de pé e me mandou mamar. Mamei por um tempo e logo ele se deitou na cama, meio tímido. Coloquei a calcinha de lado, virei o bumbum pra ele e comecei a cavalgar. Ele tava meio com vergonha e ficamos naquilo por um tempo. De repente ele me manda ficar de quatro. Ajoelhei sobre a cama e empinei o bumbum o máximo que pude. O moço já veio fodendo, me segurando pela cintura, jogando seu peso sobre mim até me fazer ficar deitado com as pernas abertas. Ele socou no meu cuzinho como se estivesse me estuprando, mas foi gostoso. Gozou rápido e vestiu a roupa o mais rápido que pode. Deixou o dinheiro para pagar o motel e vazou.
    
    Agora, nessa segunda vez, ele já sabia que, embora eu tenha uma bunda bem feminina, sou discreto e passo por homem sob qualquer suspeita. Me convidou para ir em sua oficina. Me contou que era lanterneiro, o que me interessou, pois eu precisava arrumar um detalhe no meu carro. Chegando ao local, após as 18h, quando já havia encerrado o expediente, ele me aguardava na porta. Entramos e ele, disfarçadamente fechou a porta. Me comeu de pé e nem deu tempo de tirar minha roupa. Abaixou minha calça, me deixando só de fio dental. Colocou minha calcinha de lado, deu uma cusparada no meu cu, pincelou com a cabeça do pau e começou a socar no meu rabo. Já era tarde e o barulho das bombadas alto. Fodeu, fodeu, fodeu e na mesma posição gozou muito no meu bumbum e nas minhas costas. Coloquei a calcinha no lugar, subi minhas calças com o rabo todo melado de porra. Fui embora com a calça e camisa pregando no corpo com aquela porra. No outro dia, nos falamos novamente e eu disse que precisava arrumar meu carro, mas queria um desconto. Não cheguei a pagar todo o conserto com sexo, mas ficou bem mais barato. Agora tenho uma dívida com ele e, pelo menos uma vez por semana, tenho que passar lá para o moço dar uma rapidinha depois do expediente. 
«1»